Teatro Eva Wilma - Administrado por Cia Tearte

Rua: Antonio de Lucena, 146 - Tatuapé - São Paulo/SP

(11) 2090-1650  | (11)2293-8766

WhatsApp : (11)9.9008-7579 

promoevawilma@gmail.com 

tbt do Eva: Vanessa da Mata

Hoje é dia de tbt do Eva e escolhemos relembrar o dia em que a cantora Vanessa Da Mata esteve em nosso palco no dia 12 de maio de 2018 , arrastando uma legião de fãs e fazendo todos saírem do chão.

Reunimos algumas recordações desse dia e algumas curiosidades sobre a vida da cantora.

Vem conferir!


Imagem: Reprodução





Vanessa nasceu em uma família humilde do interior de Mato Grosso. Veio ao mundo no dia 10 de fevereiro de 1976, em Alto Garças, uma cidade pequena de oito mil habitantes, cercada por mata e rios, a 378 quilômetros da capital estadual, Cuiabá. A artista possui ascendência paterna de judeus, italianos e portugueses, e pelo lado materno sua ascendência é afro-brasileira e indígena Xavante. Apaixonada por música desde a infância, ouvia diversos ritmos musicais, desde Luiz Gonzaga a Tom Jobim, de Milton Nascimento a Orlando Silva. Ouviu também ritmos regionais, como o carimbó, dos discos trazidos das viagens de um tio à Amazônia. Ouviu samba, música caipira e até música brega italiana, sons que chegavam pelas ondas da rádio AM.


Em 1990, aos 14 anos, Vanessa se mudou para Uberlândia, em Minas Gerais, cidade a 674 quilômetros de distância de Alto Garças, onde teria melhores oportunidades de estudo. Foi para lá sozinha, morar em um pensionato: Havia sido aprovada para cursar o ensino médio técnico num colégio federal, e já se preparava para futuramente prestar vestibular em medicina. Mas já sabia o que queria: Cantar. Aos 15, começou a fazer apresentações em bares locais. Em 1992, aos 17 anos, terminou o ensino médio e desistiu de prestar o vestibular, e se mudou para São Paulo, onde se tornou integrante de um grupo feminino de reggae, chamado Shalla-Ball. Três anos depois, com 19 anos, viajou em apresentações musicais por diversos países com a banda jamaicana Black Uhuru. Em seguida, fez parte do grupo de ritmos regionais Mafuá. Neste período, ainda dividia seu tempo entre a música, seu hobby, que era jogar basquete, e sua profissão, já há alguns anos, que na época era modelo fotográfica.


Em 1997, com 21 anos, conheceu Chico César: com ele, compôs "A força que nunca seca". A música foi gravada por Maria Bethânia, que a colocou como título de seu disco de 1999. A gravação concorreu ao Grammy Latino e também foi gravada no CD de Chico, "Mama Mundi". O Brasil descobria uma grande compositora. Bethânia voltou a gravar Vanessa: "O Canto de Dona Sinhá" esteve no CD Maricotinha — com participação de Caetano Veloso - e em sua versão ao vivo. Já "Viagem" foi gravada por Daniela Mercury em Sol da Liberdade. Com Ana Carolina compôs "Me Sento na Rua", do CD Ana Rita Joana Iracema e Carolina (2001). A voz e a presença de Vanessa começavam também a chamar atenção. Fez participações em shows de Milton Nascimento, Bethânia e nas últimas apresentações de Baden Powell: estava pronta para estrear em carreira solo.




Em 2002, aos 26 anos, Vanessa lançou seu primeiro CD, Vanessa da Mata, pela Sony — que teve produção conjunta de Liminha, Jaques Morelenbaum, Luiz Brasil, Dadi e Kassin. Entre os sucessos deste disco estão "Nossa Canção" (trilha sonora da novela Celebridade), "Não me Deixe só" - que estourou nas pistas com remix de Ramilson Maia - e "Onde Ir" (trilha da novela Esperança).


Essa Boneca Tem Manual, foi lançado em 2004 pela Sony e teve produção de Liminha, com quem também dividiu as composições. Além de suas próprias canções — como "Ai, Ai, Ai..." (tema da novela Belíssima), "Ainda Bem" (tema da novela Pé na Jaca) e "Não Chore, Homem" - Vanessa regravou "Eu Sou Neguinha" de Caetano Veloso (versão que integrou a trilha da novela A Lua me Disse) e "História de Uma Gata" de Saltimbancos de Chico Buarque. Com "Ai, Ai, Ai...", música nacional mais executada nas rádios em 2006 e "Música", o álbum chegou a Disco de Platina.



O terceiro disco, lançado em 28 de maio de 2007, foi produzido por Mario Caldato e Kassin. O álbum foi gravado entre a Jamaica e o Brasil. Das 13 faixas, cinco têm a participação de Sly & Robbie, dois ícones da música jamaicana. Sim é definido, pelo seu título, como "uma resposta positiva à vida, uma resposta de luta". E conta com participações de Ben Harper, João Donato, Wilson das Neves, Don Chacal e um time da nova geração da música brasileira, como o baterista Pupillo (Nação Zumbi) e os guitarristas Fernando Catatau (Cidadão Instigado), Pedro Sá e Davi Moraes, entre outros. O ano de 2007 também foi marcado pela união de Vanessa e o cantor internacional Ben Harper, com o lançamento de Boa Sorte/Good Luck, que foi um dos grandes sucessos da cantora. A música foi lançada, a princípio nas rádios, com sua versão original e depois com sua versão Remix, que garantiu a autenticidade da cantora. Para o mercado internacional, ainda foram lançadas três versões em língua inglesa dos três primeiros singles do álbum: "Loved" (Amado), "Red" (Vermelho) e "Good Luck" (Boa Sorte/Good Luck).

Para promover o álbum, Vanessa embarcou na turnê "Jardim de Perfumes de Sim", que rendeu o DVD e CD ao vivo Vanessa da Mata (Multishow ao Vivo).

Em 2008, a música Amado, do mesmo álbum, foi o tema principal da novela da Rede Globo, A Favorita. No mesmo ano, recebe uma indicação ao Grammy Latino, o prêmio mais importante do meio musical, sendo em uma categoria: Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro por Sim - que ganhou o prêmio. Já em maio de 2009, Vanessa lançou um álbum ao vivo em comemoração ao seus 6 anos de sucesso, o CD/DVD "Multishow ao Vivo Vanessa da Mata". Sendo assim, para promover o álbum, a canção "Vermelho" foi lançada nas rádios.

Em maio do mesmo ano, Vanessa participou do programa Estúdio Coca-Cola, veiculado pela MTV, em uma parceria com a banda Charlie Brown Jr..

Em 2015, Vanessa faz participação na música "Passarinhos" do rapper EMICIDA, aparecendo também em seu clipe.




Foi confirmado em fevereiro de 2013 que Vanessa está envolvida no projeto "Nívea Viva Tom", homenageando Tom Jobim. Originalmente, a cantora fez uma mini-turnê por seis capitais do Brasil fazendo shows gratuitos entre abril e junho do mesmo ano.

Em junho de 2013, a cantora confirmou o lançamento de um disco para o mês de julho do mesmo ano, servindo de tributo a Tom. A fim de promover o disco, foi lançado o single "Fotografia". No mesmo mês, a cantora confirmou que irá prosseguir com a tour por mais algumas cidades. Este novo roteiro inclui cidades já visitadas, como Recife e Salvador, e inclui outras que ficaram de fora do roteiro original, como Fortaleza, Goiânia e Uberlândia.

Em 04 de julho de 2013 é lançado o álbum "Vanessa da Mata canta Tom Jobim", com 16 das 23 músicas cantadas durante a turnê.



Imagem: Divulgação


Em 20 de janeiro de 2017, após quase dois anos sem lançar uma música nova e na estrada com duas turnês paralelas, a cantora divulga em suas redes sociais o lançamento da canção É Tudo O Que Eu Quero Ter, com a produção do duo carioca com ajuda do seu amigo o Felguk. A canção anuncia um disco novo, ainda sem título divulgado ou data de lançamento confirmada.

Em 04 de maio de 2017, a cantora confirma que no dia 27 do mesmo mês gravará um novo DVD, Caixinha de Música, na casa Natura Musical, em São Paulo. A cantora explicou que a ideia partiu após ficar muito tempo sem gravar um projeto audiovisual novo - o último foi Vanessa da Mata (Multishow ao Vivo), de 2007, ainda na turnê Jardim de Perfumes de Sim. Desde então ela lançou três CDs, e uma turnê que passou pelo palco do Teatro Eva Wilma.


Querem ver a Vanessa de volta em nosso palco?



Fonte de informações - Site Vanessa da Mata Oficial

Site Vozes do Brasil







10 visualizações